terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

domingo, 23 de fevereiro de 2014

DOIS CORPOS E UM AMOR

Ela olhava para o céu e sorria. Ele não estava mais suportando aquela situação onde ele teria que segurar a barra de gostar dela e permanecer ao seu lado. Doía pra ele e pra ela. Eles se amavam mas Cecília e seu alto grau de tendências suicidas assustavam todo os planos de Bernardo. Ele a amava e então decidiu que se renderia ao caos de sua amada. Cecília levantou da calçada onde estava deitada vendo as estrelas iluminando naquela noite de sábado quente e com poucos ventos e foi até o terraço de sua casa. Bernardo levantou ás pressas e foi atrás já prevendo que aquela seria mais uma tentativa de tentar se livrar das dores de viver. Pois para Cecília viver era denso, era como dormir e andar sobre cacos de vidro sem conseguir chegar até a felicidade plena. Por vezes acontecia dela estar de forma que parecia plena de alegria e exalando felicidade. Mas era tão efêmero que Cecília mesma não se recordava que sabia sorrir, ficará cega e sem memória. Não lembrava do primeiro beijo, do começo do namoro e nem de todas as inúmeras coisas que Bernardo fizera para tentar alegra-la. Ela o amava demais, porém não havia sequer uma gota de esperança de que a vida poderia melhorar. Tudo estava indo de mal a pior, e com um gesto de fraqueza ela olhou novamente para as estrelas e em seguida se jogou do terraço. Bernardo ficou com o coração disparado, sentia-se impotente pois todas as vezes e todas as formas que ela tentará se matar ele conseguia interceder, mas ele estava saturado daquela situação. Ele a amava mesmo diante de ter visto ela a poucos metros dele e fazendo com que ele percebesse que aquela não seria só mais uma tentativa vã. Ele sabia que ali havia perdido Cecília pra dor. O sofrimento dela era demasiado, ele entendeu que se render foi a melhor maneira para acabar com tudo, até com a dor. Mas naquele instante ele constatou-se estar completamente só e também com uma dor insuportável recorreu a mesma fuga. Correu na mesma direção e de um relance de segundos desde o momento que a viu despencando do terraço ele logo depois foi também. Estranhamente levou consigo um sorriso no rosto. Talvez quando os paramédicos chegassem encontrariam o corpo de Bernardo ainda sorrindo, mesmo que morto. Pois para Bernardo Deus nada mais era que o seu amor por Cecilia. E inferno era o que ele via sua amada passar todos os dias, tomando vários remédios e indo para médicos em vão. Não havia jeito. Os dois corpos lado a lado no chão. Sangue escorria e se misturava. O amor permaneceu, em algum plano e tudo apontava que eles iriam ficar juntos. Porque essa não é uma história de tristeza, é a história de um casal que abriu mão da vida para serem felizes e até seus últimos segundos de vida eles se amaram e por isso decidiram desistir de tudo e tentar a felicidade em outro lugar.  

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

SOBRE AQUILO QUE VOCÊ NÃO QUIS SABER

Não saiu na capa do jornal
A rádio não narrou
O jornaleiro não vendeu 
O seu vizinho não comentou

Não, ninguém soube 
Mas eu sofri
Eles não viram 
mas eu me desabei, eu caí

Ninguém noticiou o meu fim
Nem se quer se ouviu falar
e nem ao menos você
soube de mim 

-

-