segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Vagão do amor

hoje eu me apaixonei no trem.
Lá fazia frio, e o dia estava iluminado
o vagão era do amor
e o trem
de ar-condicionado.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Aquela moça

-Olha só como ela caminha. Percebe o jeito que ela arruma o cabelo toda segura de si? Você sente como ela exala mistério?
- Não, amigo. Ela não é segura. Aquela moça todas as noites frequenta o grupo de suicidas anônimos. Ela está desesperada, você não a olhou nos olhos?
- Não.
- Então é só olhar para enxergar neles o seu grito de socorro.
- Mas agora não dá mais. Ela virou aquela esquina ali.
- Ela tem manias de partir sem rumo. Aposto que um dia desses ela ainda vai desmoronar em uma dessas esquinas. Ou quem sabe ela se encontre de vez e deixe de sofrer.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O Vento

Não ame o vento
o vento passa
Vento muda
vento arrasta
leva consigo, mas não deixa nada de si.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Sobre o Fazer Poesia

A poesia veio
talvez por necessidade
talvez pela saudade
talvez por vaidade
ou então, por maldade.
veio e se foi
fiquei na vontade
de fazer um poema
sobre a ficção
ou sobre a realidade.
A poesia não voltou mais
escrever eu queria
só não sabia onde poderia.
No blog, no diário
no bloco, no caderno
na areia, ou na parede
numa folha, ou no chão.
Com o teclado,
com o lápis
ou com um pedaço de carvão.
A danada voltou
e disse que tanto faz
acariciando meus cabelos
me alegrando e trazendo paz.
Ela ensinou-me então,
que pra ser poeta
só é preciso um coração.
E de súbito, voltou-se a partir
se retirando cochichou em meus ouvidos
um singelo recado
disse que fazer poesia
não era um dilema
que existir
por sí só
já é um poema.


-

-